5 Fatos que comprovam que o uso de data centers locais está em queda

Você pode não ter se dado conta, mas é bem provável que boa parte de suas atividades diárias dependam de um data center para serem realizadas. Aquela receitinha nova? O Google tem. A conta do IPTU vai vencer? Tem banco online. Vai viajar? Tem sites com dicas de hospedagem, melhores restaurantes e aplicativos que te ajudam a chegar onde quer que seja seu destino.

Resumindo, enquanto você desfruta de todas as comodidades que a internet pode lhe oferecer, em algum lugar do mundo, existe um data center no qual todas as suas ações e informações estão sendo armazenadas e processadas.

Data center local ou nuvem (Cloud)

A principal diferença entre o data center local a nuvem (Cloud) é que, no data center local, a infraestrutura física é mantida pela própria corporação – ambiente, equipamentos, servidores, etc.

Já em casos onde se contrata um serviço de nuvem, como Cloud Computing, o único pré-requisito é uma conexão com a internet, que por sua vez “simula” um hardware que não está fisicamente na empresa, mas sim espalahdo por data centers ao redor do mundo.

Apesar de todas as vantagens da nuvem, como melhor custo-benefício, segurança e capacidade de processamento de dados, algumas empresas ainda são resistentes ao uso de tecnologias como Cloud Computing e/ou Cloud Storage.

No entanto, a adesão à nuvem (e contratação de um profissional cloud para implementá-la na empresa) será apenas uma questão de tempo, uma vez que com o dinamismo da tecnologia tanto em hardware como em software, não faz muito sentido investir em uma infraestrutura “estática” nos dias de hoje.

Aliás, a mesma resistência existiu com a própria internet, na década de 90.

Mas, o que comprova essa queda no uso de data centers locais?

Para mostrar que o uso de data centers locais está caindo no mundo inteiro, hoje vamos listar cinco fatos que observamos hoje – especialmente no segmento de TI.

1. A adoção da nuvem está crescendo continuamente

De acordo com a Cisco, até 2020 cerca de 92% das cargas de trabalho estarão baseadas em nuvem. Estas cargas estão crescendo significativamente (uma taxa de crescimento anual composta – CAGR de 26%), enquanto a carga de trabalho de data centers tradicionais está em declínio (-3% CAGR).

2. As ofertas de emprego para profissionais cloud estão aumentando

Seja no mercado nacional ou internacional a procura por profissional cloud está sendo um desafio para os gestores. Estudos não faltam para comprovar esse déficit, como os realizados pelo IDC e Cisco, na América Latina, ou pela Achieve e a Burning Glass Technologies, em Massachusetts, EUA, além do promovido pelo Manpower Group em 2015 e 2016.

Segundo o U.S. Bureau of Labor Statistics, entre 2015 e 2020 as vagas de TI crescerão aproximadamente 4% a cada ano em todo o mundo – e todo esse crescimento virá em posições relacionadas à nuvem.

Até 2020, mais de 1 em 3 posições de TI serão para profissional cloud.

3. Mais certificações e treinamentos estão sendo criados para profissionais cloud

De acordo com Cushing Anderson, VP da IDC, profissionais habilitados maximizam o valor da tecnologia para a empresa.

Para se destacar no mercado como profissional cloud é importante participar de eventos como seminários, palestras, congressos promovidos por universidades, institutos ou órgãos conceituados na área de TI como Gartner, IDC, Cisco, UFSC, etc.

Fornecedores de Cloud Computing, como Oracle, Google e Amazon também realizam cursos e eventos para profissionais de TI. Existem também cursos e treinamentos preparatórios para os exames de obtenção das Certificações e entre eles destacam-se os que oferecem metodologia EAD, por serem mais completos e com preços muito mais acessíveis, já que não precisam de uma infraestrutura física para serem aplicados. 

4. Está crescendo o número de fornecedores de Cloud Computing

Não precisa de muita pesquisa para constatar que ser provedor de nuvem está se tornando um grande negócio. Para atender o aquecimento da demanda pelos serviços de Cloud Computing, muitas corporações estão investindo maciçamente em infraestruturas e tecnologias de cloud, o que está sendo extremamente facilitado pelo surgimento de plataformas open source de construção de clouds públicas e privadas como OpenStack.

5. A cultura da transformação digital está se difundindo

No universo corporativo a opção de resistir ou ignorar as mudanças na área tecnológica é basicamente impossível.  Essa transformação passa por uma reestruturação de processos e de gestão, além do mais importante – da absorção de uma cultura digital. É por meio dela que surgem as oportunidades de transformar os negócios e de ter o diferencial junto aos principais concorrentes.

Então, apesar de muitas pessoas reclamarem da crise do país, que o mercado de trabalho está frio ou que o profissional de TI não é valorizado, eu diria que esse é o melhor momento da história para ser profissional de TI no Brasil, ou melhor… ser Profissional Cloud.

As empresas estão desesperadas por baixar custos e melhorar processos com o intuito de aumentar a rentabilidade ou até de sobreviver à crise – e a computação em nuvem é o “portal da salvação” para esses problemas.

Por esse motivo o Profissional Cloud está sendo disputado a peso de ouro no mercado, pois os empresários sabem que uma infraestrutura de TI bem planejada impacta diretamente no negócio e pode ser o divisor de águas entre o sucesso e o fracasso.